DANDO PARA VÁRIOS PEDREIROS

Olá! Meu nome é Fred, tenho 28 anos, sou branco, 1,70m, 60 kg, lisinho e adoro homens rústicos.rnO que vou relatar aqui é totalmente verídico e aconteceu há uma semana atrás quando eu estava caminhando em frente a uma construção.rnEram mais ou menos 17h00 da tarde quando eu estava dando uma caminhada e passei em frente a uma construção práximo da minha casa. Lá estavam os pedreiros saindo do trabalho e eu dei uma observada em vários deles, olhando para a mala de alguns que eram salientes e sentindo aquele cheiro de macho suado no ar. Todos tinham aquele sotaque do norte do país e feição física característica. Notei que um deles observou eu olhar o volume em sua calça e deu um leve sorriso. Pois bem, segui meu caminho e quando voltava, notei que eles estavam em um bar práximo tomando uma cerveja. Foi ai que resolvi ir até lá e tomar uma cerveja também. rnEm um determinado momento, aquele que eu havia olhado na mala foi ao banheiro que fica no fundo do bar e eu também fui. Ao entrar, ele estava em pé mijando na calha e eu parei ao lado. Dei uma olhada e vi um pau grosso, bem moreno, com muita pele cobrindo a cabeça e um jatão forte de mijo que saia. Ele percebeu que eu estava olhando e deu uma balançada no pau olhando pra mim. Foi ai que ele me perguntou se eu gostava de rola e eu disse que sim. Então ele disse que morava com mais amigos em uma república sá de pedreiros e se eu teria local. Prontamente disse que sim que morava sozinho e ele perguntou se eu queria mamar. rnEle disfarçou com os amigos, terminou de tomar sua cerveja e foi no sentido da minha casa e eu logo em seguida fui atrás.rnNos encontramos na outra esquina e quando chegamos em casa ele foi logo abrindo a calça e tirando aquele pauzão moreno que estava suado, com cheirão de macho que impregnou a sala e eu comecei a chupar. Dava pra sentir o gosto salgado de mijo na cabeça do pau dele. Chupei bastante qdo ele me disse que queria comer meu cu. Imediatamente fiquei de quatro no sofá e ele deu uma cuspida no pau dele e no meu cu e foi metendo sem camisinha mesmo. Aquele pau ia entrando no meu cuzinho, dando aquela dor gostosa de pau rasgando as pregas e ele começou a fazer o movimento de vai e vem cada vez mais rápido até que me encheu meu cu de porra. Fazia dias que ele não metia e por isso gozou rápido, foi o que ele disse. Então ele me perguntou se eu topava dar pra mais de um e eu disse que sim. Ele me disse que chamaria outros amigos dele se eu desse cerveja pra eles tomarem em casa, o que eu aceitei rapidamente. No dia seguinte, por volta das 17h30 ele e mais quatro pedreiros estavam na frente da minha casa. Todos morenos, pele queimada do sol, suados, barba por fazer, homem rústico e macho mesmo. Entraram e começamos a tomar cerveja. Tempo passando, um deles diz que precisa mijar e o amigo disse que ele podia mijar em mim, que eu iria beber o mijo deles. E assim foi, toda vez que um deles queria mijar eles mandavam eu abrir a boca e chupar o pau deles e mijavam na minha boca. Neste dia, dei e chupei os cinco até umas 19 da noite. Meu cu nem fechava mais de tanto pau que tinha levado. A porra dos machos escorria pelas minhas pernas, de tanta gozada que eu tinha levada no cuzinho. Me chamavam de putinha, diziam que de agora em diante eu iria ser a putinha deles, sempre que quisessem comer uma puta e não achassem, iriam vir me comer. E assim tem sido desde então. Ontem mesmo um deles veio aqui, meteu rápido em mim, gozou e foi embora, me chamando de vadia, de biscate.rn